FABRIQ’AM

A Fábrica de ‘patrimônios’ nas sociedades ameríndias

RESUMO DO RELATÓRIO FINAL :

Patrimonialização e recomposição de regime de saberes

Na América latina, onde o multiculturalismo e a gestão das identidades indígenas são uma questão política importante a ponto de influenciar nos modos de governança locais, as populações indígenas são impelidas a exibirem características étnicas ou culturais para se posicionarem dentro do quadro político nacional.
Para tanto, se para exercer sua cidadania as populações ameríndias lançam mão de traços culturais que as caracterizariam, resulta desta interação uma compreensão externa defasada, ou mesmo antinômica, de seus valores e de suas pessoas.
Por um lado, a relação ao passado a ser inventariado, rememorado e reproduzido, segundo os modos de veiculação institucionais, se distingue das concepções autóctones do que deve ser conservado ou esquecido, de suas formas próprias de transmissão de conhecimento e de saberes, assim como de seus modos próprios de historicidade.
Por outro lado, em um mundo globalizado, as formas de transmissão memoriais internas aos grupos ameríndios são mobilizadas por muitos desses grupos como um recurso disponível para obtenção de direitos, como forma de respaldo de uma identidade coletiva ou mesmo como suporte para elaboração de novas formas de indianidade.
O projeto visava compreender como se exprimem e se articulam, para os ameríndios estudados, as formas subjetivas de sua relação com a história e com o tempo, no que tange sua interface – e para além dessa – com a sociedade hegemônica que lhes impõe os termos de suas culturas.

Um aproximação pela etnografia das experiências autóctones

Os pesquisadores reunidos neste projeto estavam há muito presentes e comprometidos em seus campos de pesquisa. Na maioria dos casos estes observaram a emergência do objeto ‘patrimônio’ durante suas pesquisas.
Este fato lhes possibilitou propor uma perspectiva temporal das construções patrimoniais e desenvolver uma análise contextual desses processos.
Mais de trinta estudos de caso foram realizados seguindo esta perspectiva processual e comparativa que aborda os processos de patrimonialização a partir de um questionamento sobre as formas de transmissão memoriais e de saberes historicamente situados.
Estas pesquisas demonstraram como, e em quais contextos, diferentes dispositivos locais de ordem política, identitária e relacional, intra e interculturais são ativados para responder (ou não) às políticas patrimoniais.

Resultados

As análises expuseram a capacidade reflexiva das sociedades estudadas, cuja cultura agora reconhecida tornou-se uma questão política e/ou econômica.
Adiciona-se-de forma simultânea porém geralmente diferenciada – à lógica local sobre o que somos, uma lógica patrimonial sobre o que temos.
Nem culturalismo angelical, nem essencialismo estratégico, o estudo da patrimonialização em meio ameríndio permitiu compreender o reinvestimento local no domínio da cultura enquanto questão social e política fundamental da modernidade.
O campo da patrimonialização se manifestou como uma arena onde se expõem, numa relação de força assimétrica, visões ideológicas distintas sobre a forma como as diferenças culturais devem ser afirmadas e reconhecidas e sobre o que constitui, em última instância, a diferença.

Scientific Produção científica

Os resultados desta pesquisa foram construídos ao longo de um processo iniciado pelo atelier de abertura – aberto ao público, seguido de um outro atelier de fechamento – interno ao grupo, de seis dias de apresentação das pesquisas realizadas pelos membros do projeto, seguidos de 20 reuniões de trabalho sobre os eixos de pesquisa do programa.
Estas atividades coletivas produziram um total de 47 publicações internacionais e 34 na França ( livros, números especiais de revista, artigos, capítulos de livro), 50 comunicações internacionais e 175 comunicações na França, três colóquios internacionais, quatro filmes (alguns em vias de finalização) e cinco conferências de divulgação científica.

PROPOSTA INICIAL :

Financiado pela Agence Nationale de la Recherche (ANR -Agência National de Pesquisa-), o projeto FABRIQ’AM reúne cerca de trinta antropólogos em torno do tema da « patrimonialização » na América indígena.

Fabriqam-Carte

Localização dos estudos de caso FABRIQ’AM

Há alguns anos, a « patrimonialização » de elementos culturais, materiais e imateriais, vêm se tornando um dos meios pelos quais os povos ameríndios têm procurado obter maior visibilidade e reconhecimento. Atualmente, na maior parte dos países americanos, estes processos se dão em uma paisagem social e política marcada pelo multiculturalismo institucionalizado como uma forma de governança.

Os fenômenos de patrimonialização cultural, amplamente estudados em outras regiões (sobretudo na América do Norte), são menos conhecidos nos espaços meso e sul-americanos e ainda menos no que diz respeito às sociedades ameríndias. Entre estes povos, as concepções do que deve ser lembrado ou esquecido, as maneiras de transmitir conhecimentos e saberes, bem como os modos de produzir historicidades parecem, com freqüência, ir contra a própria idéia de patrimonialização, tal como entendida no mundo euro-centrado. Além disso, ao acompanharem as mediações e as formas de inculcar estes esquemas formulados fora das sociedades ameríndias, elas próprias têm transformado, atualmente, algumas de suas práticas cotidianas em elementos de um patrimônio passível de objetificação, transmissão e conservação. Tais procedimentos são globalmente ligados a discursos que operam por meio da objetificação, essencialização e etnicização das culturas indígenas.

As formas de transmissão memorial das sociedades ameríndias e outras minorias tem, assim, uma dupla dimensão. Por um lado, elas se constroem em matrizes culturais e sociais que lhe são próprias. Por outro, e para muitos, elas são, no seio de um mundo globalizado, investidas como recursos mobilizáveis para fortalecer identidades coletivas, entre as quais as novas formas de indianidade. A análise das configurações patrimoniais que observamos em campo demandam, assim, a elucidação destas formas de imposição e adaptação. Mas também demandam a compreensão das maneiras pelas quais os atores indígenas são capazes, por sua vez, de se apropriar de um direito para construir um discurso próprio sobre sua cultura, assim como de instituí-la como uma fonte de afirmação identitária.

Para compreender as diversas declinações dos processos de patrimonialização cultural entre as, aproximadamente, trinta sociedades indígenas estudadas neste projeto, a pesquisa será desenvolvida tendo por referência três eixos de análise complementares:

– os regimes de temporalidade, de historicidade e de saberes ;

– a « fabrica » dos patrimônios, sua construção social e seus usos políticos ;

– as lógicas institucionais e as formas locais de governança multicultural

Os cerca de trinta antropólogos reunidos neste projeto estão engajados a longa data sobre as áreas de campo estudadas, que compõem uma vasta amostragem das situações locais e das respostas diversas dadas aos processos globais de patrimonialização cultural.

O projeto, decididamente comparativo, não se propõe a delinear uma tipologia das semelhanças e das diferenças entre as formas de construção do patrimônio, mas sim a comparar as representações categoriais, os quadros, as relações e os processos de construção de sentidos e de composições dos discursos. Por meio do estudo da patrimonialização cultural, tomada como reveladora dos jogos entre os atores, das estratégias de definição de si e de construção do político, o desafio é abordar dois fenômenos intimamente associados. De uma parte, trata-se de apreender as modalidades de inserção das sociedades ameríndias na modernidade, bem como as suas próprias capacidades de incorporá-la, ao desvelar as formas de co-habitação e de composição entre regimes de saberes e de historicidades gerados através da patrimonialização. De outra parte, por meio da análise destes processos, o projeto se propõe a iluminar as gêneses e os desenvolvimentos contemporâneos das configurações multiculturais que caracterizam os espaços políticos das regiões meso e sul-americanas.

EIXOS DE ANÁLISE

A « FÁBRICA » DO PATRIMÔNIO : CONSTRUÇÕES SOCIAIS, USOS POLÍTICOS

O que significa « produzir o patrimônio » ou « tornar visível sua cultura » por meio da construção de formas diversas de museus, da espetacularização, da construção imagética ou escrita, da construção de « lugares de memória » e de monumentos ? Estes processos não são apenas lugares de construção cultural, eles abarcam igualmente lógicas sobre si e sobre o outro, são formas de objetificação e espetacularização da cultura. Como, em um momento histórico dado, os atores indígenas pensaram certos traços culturais como patrimônio e como produziram uma auto-imagem investida da relação com outros grupos indígenas e não indígenas ? Neste eixo analisamos os efeitos destas operações sobre a cultura de coletivos que são, ao mesmo tempo, agentes e objetos. Discutimos a maneira como estas operações remodelam as relações sociais internas aos grupos e entre esses e seus « exteriores » : as comunidades indígenas e seus vários representantes ; as instituições que validam o status patrimonial e que provém, de algum modo, do Estado ou dos novos espaços globais ; e o conjunto de mediadores – entre eles os pesquisadores em campo.

LÓGICAS PATRIMONIAIS E DISPOSITIVOS INSTITUCIONAIS OU INTERNACIONAIS

O eixo « Lógicas patrimoniais e dispositivos institucionais nacionais e internacionais »  estuda a governança do patrimônio por meio da investigação de suas práticas institucionais. As pesquisas se debruçarão principalmente sobre a análise da articulação das normas globais -como aquelas estabelecidas pela Unesco-, com as estruturas burocráticas, com as lógicas institucionais e com as formas de consultoria e perícia que existem atualmente na Guiana francesa, no Brasil amazônico e no México. Qual o impacto da « global politique » sobre as políticas nacionais de patrimônio ? Se o desenvolvimento das políticas patrimoniais está historicamente associado à criação dos Estados nacionais, o patrimônio não se restringe mais à dimensão nacional, tendo se tornado um fato global : hoje as políticas patrimoniais  são redefinidas em escala mundial e orquestradas por entidades supranacionais. Quais os efeitos de uma instituição como a Unesco sobre as políticas nacionais de patrimônio ? Essa instituição reforçaria a « unescoização » de teorias e práticas relativas ao patrimônio ou, pelo contrário, haveriam estratégias por parte dos Estados de resistência à uma certa homogeneização dos critérios de patrimonialização e de seus procedimentos ?

REGIMES DE TEMPORALIDADE, DE HISTORICIDADE, DE SABERES

Compreender as formas atuais de fabricação do patrimônio como processos que são ao mesmo tempo emergentes e inscritos no seio de lógicas culturais implica uma compreensão fina das concepções de temporalidade,  de história, de transmissão e daquilo que é transmitido por uma dada cultura ou sociedade.  Como essas concepções se configuram e são configuradas pelos novos processos de patrimonialização ? Tais questões serão analisadas a partir de uma variedade de práticas que vão das relativas aos objetos e seus destinos àquelas ligadas à utilização dos espaços quotidianos e de memória, que vão das práticas discursivas – sejam essas narrativas, rituais, políticas -, àquelas sobre novas formas de expressão escrita, fílmica ou outra. Esta linha do projeto, que se debruçará particularmente sobre o exame de discursos indígenas a partir de uma perspectiva etnolinguística (ou de antropologia lingüística) interacional e temporal, procura apreender tanto a variedade de estratégias, respostas, resistências e resiliências das sociedades ameríndias frente às mudanças culturais quanto realizar uma reflexão comparativa abrangente sobre esquemas de elaboração da história, da conceptualização da ação, do evento  e de suas múltiplas manifestações que variam segundo os contextos às quais estão relacionadas. Cinco entradas analíticas, que se inter-relacionam, serão desenvolvidas : a) modelos e modalidades das construções da memória, b) concepções locais de mudança e evento, c) agentividade histórica, d) regimes de enunciação e de transmissão de saberes, e) embasamento espacial e material da memória.

FABRIQ’AM y ANR : agence-nationale-recherche

Laisser un commentaire

Votre adresse de messagerie ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *